O que foi / O que é

Uma matéria bacana de Daniela Braga, da Folha de São Paulo, feita na Bride Style, que mostra o que "já era" e o que é tendência nos casamentos.
 

Já era - Vestido da noiva

Roberta Matarazzo, representante da Pronovias em São Paulo, diz que as “noivas não querem mais se esconder atrás de grandes volumes, tecidos pesados e carregados de bordados, elas querem mostrar e valorizar sua silhueta e precisam de conforto”

 Muito volume e tecidos pesados não estão mais no catálogo da Pronovias -  Divulgação/Pronovias

Muito volume e tecidos pesados não estão mais no catálogo da Pronovias - Divulgação/Pronovias

Já é - Vestido da noiva

Lucas Anderi, estilista querido por celebridades como Juju Salimeni, entre outras, aposta em mangas longas e em decotes. “Nesta coleção eu deixei de lado os vestidos mais rebuscados e parti para os mais limpos (cortes, detalhes, etc.). Continuam volumosos e com decotes na frente e nas costas”, conta.

Vestidos com decotes parecem ser o modelo "hit" para as grifes. Roberta Matarazzo, da Pronovias, diz que a nova coleção exalta o efeito tatuagem das rendas e as transparências nas costas. Outra característica comum é a leveza. "O tipo princesa ainda tem presença na coleção 2016, o que muda é a leveza dos tecidos para trazer mais conforto a noiva", afirma Roberta.

 Vestido da coleção 2016 da Pronovias privilegia os recortes nas costas e tecidos mais leves -  Divulgação/Pronovias

Vestido da coleção 2016 da Pronovias privilegia os recortes nas costas e tecidos mais leves - Divulgação/Pronovias

Já era - Traje do noivo

O alfaiate João Camargo, da Camargo Alfaiataria, afirma que estão em baixa o fraque e o meio fraque. “Por tanto tempo [esses trajes] foram marcados como sendo roupas para locação, e por mais que seja uma peça muito bonita e o noivo faça sob medida, ela ainda vai parecer uma peça de locação”.

Preto e cinza também não são os mais indicados para quem quer fugir um pouco do que a maioria já está acostumada, recomenda Camargo.

 Usar fraque é tradicional, mas já está meio batido -  Divulgação/Camargo Alfaiataria

Usar fraque é tradicional, mas já está meio batido - Divulgação/Camargo Alfaiataria

Já é - Traje do noivo

Para o alfaiate João Camargo, da Camargo Alfaiataria, o noivo não é apenas um coadjuvante. “Ele também busca um status, está mais vaidoso e é por isso que uma roupa sob medida é uma tendência. O que está muito em alta são os ternos e smokings nos tons de azul mais claro”, finaliza.

 Tons de azul? Pode, sim, amiguinho -  Divulgação/Camargo Alfaiataria

Tons de azul? Pode, sim, amiguinho - Divulgação/Camargo Alfaiataria

Já era - Maquiagem e cabelo

Para o maquiador Max Weber, responsável por capas de revistas e por alguns dos maiores desfiles do país, é preciso “tirar as máscaras”. A maquiagem que transforma a noiva em outra mulher não é legal. Por outro lado, não trazer nada de especial para a data também não é recomendável. “É um pouco sem graça aparecer com a mesma cara do dia a dia”, contemporiza. 

Max não recomenda o cabelo completamente solto. “Não representa compromisso e atrapalha os cumprimentos, além do penteado ser prejudicado pelo suor”.

 Deixar a noiva com cara de outra de pessoa? Não -  Divulgação

Deixar a noiva com cara de outra de pessoa? Não - Divulgação

Já é - Maquiagem e cabelo

De acordo com o maquiador Max Weber, responsável por diversas capas de revista e desfiles no país, não há moda especial a ser seguida, mas o ideal é que as noivas fiquem leves e fluidas. Para compor o "look linda", diz Maz, é necessário considerar o horário da cerimônia, o que a noiva vai usar no dia, a sua história e a história de sua família. Tendo isso em mente, tudo está liberado, inclusive tons coloridos. Para as madeixas, prefira o preso. Na visão de Max, o penteado "representa compromisso."

 Noiva usa cabelo preso e cascata de pérolas Graciella Starling -  Tartari Foto e Vídeo

Noiva usa cabelo preso e cascata de pérolas Graciella Starling - Tartari Foto e Vídeo

Já era - Festa

A blogueira e administradora Carol Montenegro, responsável pelo Bride Style (evento, site e revistas), não titubeia: acessórios de pista (incluem-se aqui óculos, chapéu, pisca-pisca, pulseirinha etc.) estão por fora. Topo de bolo de biscuit também entra no pacote.

Para além dos objetos, Carol é categórica sobre fazer muita combinação. “Fazer unha combinando com buquê, maquiagem e decoração não rola”. 

 Topos de bolo de biscuit vendidos na rua 25 de Março, em São Paulo -  Rivaldo Gomes/Folhapress

Topos de bolo de biscuit vendidos na rua 25 de Março, em São Paulo - Rivaldo Gomes/Folhapress

Já é - Festa

Carol Montenegro, que comanda o Bride Style, diz que a tendência dos ‘mini-weddings’ --casamentos para até 100 convidados-- continua. “As pessoas pensam que esse tipo de festa é para quem quer economizar, mas não é só isso. Com poucos convidados, os noivos podem servir melhor, investindo, por exemplo, em um champanhe mais sofisticado ou um cardápio com mais pratos”.

 Casamentos em restaurantes, em casa ou em salões menores podem ser uma boa ideia -  Tartari Foto e Vídeo

Casamentos em restaurantes, em casa ou em salões menores podem ser uma boa ideia - Tartari Foto e Vídeo

Já era - Convites

Convite que forja a primeira capa de jornal no estilo “ Extra! Extra! Finalmente Fulano e Beltrana vão se casar” está batido, na opinião de Juliana de Moraes, da Papel & Estilo. O exagero de cores, brilhos, estampas e caricaturas também não é bem-vindo. 

Apesar de ser uma solução mais barata para lembrancinha, as latinas com balinhas já perderam a graça, segundo a consultora.

 Convite desse tipo virou “notícia velha” -  Reprodução

Convite desse tipo virou “notícia velha” - Reprodução

Já é - Convites

A Papel & Estilo, que trabalha com convites e lembrancinhas, aponta a retomada dos clássicos, discretos e retangulares. Destaque também para os rústicos e os cortados a laser.
No quesito lembrancinha, a consultora Juliana de Moraes não abre mão dos chinelos personalizados. "Apesar de não ser nenhuma novidade, todo o mundo gosta e é útil".